Luís Palma

Luís Palma (Porto, 1960) frequentou o Curso Superior de Fotografia da ESAP, no Porto.

Esteve ligado ao ensino e à divulgação da fotografia, foi curador da exposição “Fotografias” de Dieter Appelt, no âmbito da programação da 1.ª Edição “Mês de Fotografia“ (Fotoporto) que se realizou na Fundação de Serralves em 1988.

A convite do Instituto Francês de Bilbau, em parceria com a Arteleku, Donostia / San Sebastián, País Basco, Espanha (1995), apresentou o projecto “Confidências para o Exílio” no contexto da programação do Seminário Internacional “El Relato de Exposición / Le Récit d’ Exposition”.

Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes) para a realização do projecto “Memórias Metafóricas”, apresentado no Centro Cultural La Beneficència, Valência, Espanha, em 1997. E contou com o apoio do Ministério da Cultura / Centro Português de Fotografia em parceria com o Gipuzkoa Foru Aldundia para o projecto “Paisagem, Indústria, Memória”, apresentado no Museu San Telmo, Donostia (País Basco), Espanha, e no Centro Português de Fotografia, Porto (1999). No contexto da programação dos 700 anos da cidade de Bilbau, participou na exposição colectiva “7x7x7“ que decorreu na Sala Rekalde, Bilbau, 2000.

Colaborou na edição “A Experiência do Lugar“, para a Porto 2001, Capital Europeia da Cultura. O livro “Territorialidade“, que contou com o apoio do Programa para a Arte Contemporânea da Fundação Ilídio Pinho (2007), foi nomeado para o prémio BES Photo (edição 2008).

Por mais de duas décadas a sua obra tem sido exposta regularmente em relevantes instituições. Esteve presente na exposição colectiva “A Colecção“ que se realizou no Centro de Arte Contemporânea Domaine Kerguéhenner, Birgnan, França (2010), esteve igualmente presente na exposição “Impressões e Comentários“ organizada pela Salla Parpalló, em Valência, Espanha (2010). Nestes eventos foram expostas obras fotográficas suas que fazem parte das colecções do Banco Espírito Santo e do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. A convite deste museu, em parceria com o Ministério da Economia e Inovação, participou no evento Art Algarve: “Tão Brilhante Quanto o Sol”, com uma instalação no convento de Santo António dos Capuchos, em Loulé, 2010.

No decurso da programação de Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura, participou na edição “Obra em Papel”. A sua obra integra várias colecções institucionais portuguesas e encontra-se editada em diversas publicações nacionais e internacionais.

No contexto da sua obra monográfica destacam-se ainda as seguintes edições: “Paisagem, Indústria, Memória“, “Ocupação“, “Anatomia de um Sonho“ e “Mapeamento, Memória, Política“, que contou com o apoio da Fundação EDP.

 

© LUÍS PALMA